DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO

A maior parte das paradas cardíacas pode ser tratada por um choque especial (diferente do choque elétrico da tomada!), chamado desfibrilação. Quanto antes ele for dado, maior a chance de reversão da parada. O DEA (Desfibrilador Externo Automático) é um equipamento capaz de substituir um médico na determinação da necessidade ou não de desfibrilar o paciente. Ele é seguro e pode ser usado por qualquer pessoa. Apresenta desenho didático e intuitivo, repassando as orientações verbalmente. Basta seguir os seguintes passos:

 

 

 

  • Ligue o aparelho e siga suas orientações;

– Aplique as pás no tórax do paciente;

– Conecte o cabo das pás no DEA;

– Afaste-se do paciente para ele definir a necessidade do choque;

– Caso o choque seja recomendado, aperte o botão indicado para liberá-lo, após garantir que ninguém está encostado na vítima.

– Após o choque, ou caso o choque não seja indicado, reinicie a RCP.

A cada 2 minutos, o aparelho fará uma nova análise automaticamente..

Eles devem ser localizados em pontos estratégicos, acessíveis à população, como os extintores de incêndio são. Para que em um momento de parada, sejam rapidamente acessados e utilizados! Veja o símbolo universal indicativo do DEA, abaixo.

E onde encontramos DEAs?

Existem Leis que regulam de acordo com a circulação diária de pessoas a necessidade de DEAs. Locais como shopping centers, aeroportos, rodoviárias, academias, clubes, escolas são exemplos. Eles devem ser localizados em pontos estratégicos, acessíveis à população, como os extintores de incêndio são. Para que em um momento de parada, sejam rapidamente acessados e utilizados!

 

Em países como os Estados Unidos, a política pública de desfibriladores funciona perfeitamente, com DEAs espalhados por todo o país, em locais estratégicos. Tudo isso assegurado por lei. Em nosso país, várias cidades e Estados já possuem leis específicas para DEAs.

Dia Nacional da Reanimação Cardiopulmonar - Liga Acadêmica de Trauma e Emergência do Maranhão